Como Dominar a Arte da Oratória e Falar bem em público?

0

 

A Oratória baseia-se no bem falar frente aos demais, de forma estruturada e efetiva, visando entretenimento, influência e a tão estimada e cativante informação. Nem todos demonstram esta facilidade em falar. Por mais que a fala seja adquirida ao longo dos primeiros anos de vida, e na maioria das vezes de forma natural, o “bem falar” pode demorar para aparecer principalmente devido à fatores emocionais, tais como: introversão, timidez, traumas emocionais e questões psicológicas.

O fundo emocional é o que mais corrobora para que presenciemos quebras suaves, medianas ou graves no discurso oral de um falante. Dentre estas, é comum vermos episódios transitórios de gagueira, pouca ou nenhuma habilidade no domínio da fala improvisada, sudorese excessiva, bloqueios de linguagem, voz trêmula, interrupção ao acesso à informação já programada, perda de foco na leitura de textos escritos, ofegância, queda de pressão arterial e até desmaios.

Veja o ponto positivo: a Oratória é um campo ensinável e ricamente transformador. E é importante saber que o fator principal para adquirir com propriedade uma boa fala em público é respeitar certos preceitos e regras, praticando-os até que a naturalidade e a consciência de seus atos cheguem à um nível controlável pelo falante que termina por deixar a posição de “usado” pela língua e passa a ser um usuário da mesma, invertendo positivamente o seu próprio quadro.

Abaixo, listo 8 preciosas informações para quem já se expõe ao falar e para aqueles que de alguma forma, já sabem que irão passar por isso e têm interesse em se preparar, veja:

Respire!

É importante manter a frequência respiratória estável. Quanto menos ela altera, maior domínio próprio mostramos ter e maior domínio da situação mostramos possuir.

Mantenha a Postura

Sua mãe já dizia isso e ela estava certa: reposicione a coluna para que ela esteja ereta ao falar e ao ouvir pessoas, isto mostra receptividade, interesse e abertura. Desleixos neste posicionamento passam a impressão de desinteresse, cansaço ou baixa estima.

Seja Congruente

Com o seu corpo bem estruturado, não mostre em sua face algo que não seja relacionável com o que você fala ou tenta convencer os demais. Por exemplo, o “sim” tem que ser mais que uma palavra, mas uma resposta geral do seu corpo: mãos, sobrancelhas, cabeça, boca e tronco. Todas estas partes devem dizer sim junto a você.

Atenção às Palavras

Sempre saiba para quem você irá destinar a sua mensagem. Adeque o vocabulário a este público. Invista em sinônimos para não ser repetitivo, monótono ou até vítima dos próprios vícios de linguagem que desviam a atenção do ouvinte da mensagem-alvo para o interlocutor.

Movimente-se

A fluidez do que se fala é complementada pelo fluir dos movimentos. Lembre-se que a falta deles mostra apatia ou timidez e ao sermos bruscos, evidenciamos falta de domínio próprio e da mensagem. Movimentos “arredondados” (como os de letra cursiva), são mais bem aceitos e ombros relaxados passam calma aos demais presentes.

Contato Visual

O envolvimento deve ser algo que sempre devemos perseguir para uma boa fala em público. Ao manter contato visual com diversos ouvintes, sua mensagem passa a ser mais memorável a eles, melhorando a fixação ao que você expressa, além de um feedback gratuito sobre estarem atentos ou não. Re-teste a atenção sempre que possível!

Improvise

É normal termos “brancos” ao desenvolver uma linha de raciocínio ao vivo ou até esquecermos partes que tanto lutamos para decorar. Mas o branco é muitas vezes uma resposta ao estresse. Não tente preencher o vazio com falas torpes (jargões ou expressões difluentes). Não tenha medo de refazer os passos da linha de pensamento mesmo frente ao público. Uma resposta sincera é melhor do que uma desculpa esfarrapada.

Encerre Bem

Lembre-se de checar se todas as explicações têm uma conclusão clara e busque sinais de entendimento no público (acenos positivos de cabeça ou meio sorrisos). Agradeça pela oportunidade. Abra espaço para perguntas e mostre-se disponível à respondê-las.

Apesar destas dicas estarem listadas juntas, nem sempre é possível alcançar o domínio de todos os pontos de uma só vez. Busque auxílio de um Fonoaudiólogo,sempre que possível.

The following two tabs change content below.
Ludmilla Silva Melo

Ludmilla Silva Melo

Ludmilla Silva Melo é Fonoaudióloga e especialista em Zumbido do Centro de Pesquisa e Diagnóstico do Zumbido. É formada em Fonoaudiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atua em Saúde Auditiva, Reabilitação Auditiva, Terapia para Voz, Fala e Desenvolvimento de Linguagem em Oral em profissionais de Voz, pacientes com Surdez, vítimas de acidentes neurológicos ou portadores de transtornos de linguagem/ invasivos do desenvolvimento, além do tratamento do zumbido.
11-11-2019 |

Deixe um comentário

Todos os direitos reservados Utilità, Mantido por RT Soluções.
Pular para a barra de ferramentas