Cuidar da saúde também é coisa de homem

homem - interno

Passamos pelo mês que pintou de rosa os prédios públicos e motivou as propagandas em todo o país, agora as campanhas de saúde mudam de cor para o azul – o mês de novembro está focado em tratar da prevenção ao câncer de próstata. Seria simples evitar doenças como essa, se não fosse um outro fator relacionado ao gênero masculino: a tendência a fugir de qualquer tratamento. Em outras questões de saúde, como impotência, problema cardíaco ou depressão, a resistência deles em pedir ajuda também retarda diagnósticos e tratamentos. Não é à toa que os homens têm uma expectativa de vida de seis a oito anos mais curta que a das mulheres. Eles se cuidam menos, vão menos ao médico, fazem menos exames. Muitos acham que não são suscetíveis ou têm o “corpo fechado”, ou até mesmo por muitos quererem passar a segurança masculina, acreditam que estão acima do bem e do mal, até mesmo em questões de saúde.

Não admitir fraqueza é um dos fatores que os mantém longe dos consultórios. Levantamento realizado em junho deste ano em sete cidades do país pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) comprova que 51% deles não costuma ir ao urologista com regularidade. A pesquisa realizada com 3,5 mil homens acima dos 40 anos mostrou ainda que 76% não conhece os sintomas do câncer de próstata. Por causa dessa resistência, familiares e amigos têm um papel fundamental: 90% dos pacientes vão ao consultório levados pela companheira, segundo a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia). Apesar da síndrome de super-homem, eles não possuem o corpo tão fechado assim. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo fator que mais mata os homens, ficando atrás apenas do câncer de pulmão. Doenças cardiovasculares, alcoolismo e tabagismo também são mais incidentes no público masculino do que no feminino.

Percebo que somente na idade avançada – quando os problemas aparecem com mais frequência – é que muitos deles se abrem para receber ajuda. Em contraposição, a busca crescente por cirurgias plásticas e estratégias que ajudem a melhorar o vigor físico (como o sucesso de vendas do Viagra, por exemplo) são indicativos de que prolongar a juventude é ainda uma prioridade dos machos alfa. Falar sobre as emoções ajuda a driblar as fraquezas com sabedoria. Quando consegue dominar aquilo que lhe assusta, o homem se torna um excelente paciente. Deixa de ficar vulnerável e aprende a driblar seus temores.

Assim como o exame de toque, a impotência sexual assombra o imaginário da maioria dos homens brasileiros. Muitos preferem sequer pensar sobre a possibilidade. Se por motivos orgânicos ou psicológicos, ela aparece, a maioria demora cerca de cinco anos até procurar ajuda, segundo estatísticas do andrologista Sergio Iankowski Santos, autor do livro “Ereção e Falha – Falhou, por quê?” e integrante da Sociedade Brasileira de Andrologia. Medo, vergonha ou preconceito são razões pelas quais os homens costumam evitar os consultórios.

A saúde geral de um indivíduo sempre repercute sobre a sua saúde sexual. O drama de fracassar sexualmente é tão grande para um homem que, em muitos casos, está associado a causas de depressão e suicídio.

Por isso, para manter uma vida sexual saudável, é preciso levar em conta todos os demais aspectos do bem-estar físico e psicológico. Prevenir o câncer de próstata por meio do exame do toque ou ultrassonografia transretal e o exame do PSA são formas de preservar a performance. É quase como enfrentar um medo pela ameaça de outro. A cirurgia do câncer de próstata é uma das causas de impotência. Prevenir esse tipo de câncer é zelar pela sua saúde sexual.

Além disso, os check-ups preventivos, melhorar os hábitos de vida saudável, inserindo uma alimentação mais qualificada com macro e micronutrientes; prática de atividade física regular; a certeza de um sono reparador, horas de lazer, tudo isso, unido a uma boa companheira, que esteja disposta a compartilhar de fato a sua história de vida, fará a vida desse homem melhor e mais saudável, pois sabemos que viver sozinho também adoece, pois o ser humano é um ser social e necessita de uma boa companhia. E finalizo com um conselho… Viva a vida com intensidade e responsabilidade, mas viva, pois, afinal, você não sairá vivo dela mesmo. Cuidando, sim, sempre da sua saúde, para mais tarde não ter que cuidar da sua doença.

 

Compartilhe esse artigo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Gostou desse artigo? Comente!

Quer divulgar o seu negócio aqui?
Chame no WhatsApp!