MAIDEN ATRAVÉS DA HISTÓRIA, um legado de canções

1decoracaojaneiro interna copia 6

 

Confesso que nunca fui muito fã da ‘donzela de ferro’, nome cunhado pelo baixista-fundador da banda Steve Harris de uma suposta máquina de tortura do Antigo Regime, ou com inspiração no clássico de Dumas ‘O Homem da Máscara de Ferro’ como alude o autor Lauro Meller na pequena mas detalhada introdução/biografia do ótimo livro ‘ IRON MAIDEN, uma jornada através da História ‘ (125p. 1ª. ed. – Curitiba:Appris,2018).
Talvez pela imagem pesada do próprio nome da banda, representante maior do movimento da nova onda do heavy metal britânico ali por volta de 1978/1979, uma das maiores bandas do heavy metal e por que não dizer, do rock em geral, com milhares de fãs pelo mundo todo, e muitos no Brasil, notadamente por terem vindo ao primeiro (e melhor) Rock in Rio de todos os tempos, o de 1985, no começo do seu auge, na histórica turnê do Powerslave, nomeada World Slavery Tour.

Na época comecei a ouvir muito rock, mas sempre voltado ao blues-rock de Eric Clapton (que ensaiava seu retorno, saindo das drogas e bebedeira), ou ainda ao pós-punk e new wave de bandas como U2, Smiths, The Cure, Echo and The Bunnymen, o classic rock de Beatles, The Police, Doors, Led, Pink Floyd, ou o pop-rock com toques de folk, blues e até prog da minha banda preferida na época, o Dire Straits.
Dava mais atenção em matéria de ‘peso’ ao hard rock do AC-DC, Queen (também o estilo variado da banda),Van Halen e Whitesnake, até mesmo pelas influências de Led Zeppelin e Deep Purple que conservo até hoje no meu dna rockeiro. Mas quem gosta de rock não pode passar incólume pelo fenômeno Iron Maiden, especialmente a decantada sequência principal, bem lembrada por Lauro Meller em sua obra, de 1982 a 1988, “The Number of the Beast (1982), indo até Somewhere in Time (1986) – para muitos críticos e fãs, essa sequência vai até o disco seguinte, Seventh Son of a Seventh Son (1988)”(pp. 25-26). Músicas como The Trooper, Run to The Hills,“Aces High”, “Two Minutes to Midnight”, “Powerslave” e “The Rime of the Ancient Mariner” , muitas dessas dissecadas no livro de Lauro, ganharam meu respeito e admiração pela excelente banda de Steve Harris, Adrian Smith, Dave Murray, Nicko McBrain, Janick Gers e Bruce ‘screammming!’ Dickinson.

E para a minha surpresa me peguei várias vezes admirando shows do Iron Maiden, este último então, do rock in rio 2018, da tour Legacy of The Beast…a coroar o legado de ressurgimento da banda e da sua clássica obra nos anos 80. Daí como raramente escrevi sobre a banda, resolvi tirar um pouco o ‘atraso’ e esse maravilhoso livro do Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Doutor em Letras-PUC/MINAS, membro de institutos internacionais de música popular e metal Lauro Meller veio
bem a calhar, caindo suave e macio no meu colo para passar a ‘quarentena’ do covid-19 (tai um bom tema para mais uma song do Iron)…
O livro como bem o descreve a jornalista Fernanda Portugal(colaboradora da BBC Brasil/UFRJ) em seu prefácio de apresentação traz ‘análises surpreendentes de canções do Maiden inspiradas em episódios ou em personagens históricos – o que garante a você, leitor, uma alucinante viagem no tempo, da Pré-História à Guerra do Golfo. Nessa jornada, será possível sentir na pele o drama de um faraó no Antigo Egito, revoltado ao se descobrir mortal; de um nativo da América do Norte, massacrado pelo homem branco; e de soldados acuados em campos de batalha nas grandes Guerras Mundiais – para citar somente alguns dos personagens da poderosa obra do Iron Maiden”.
“Primeiro, apresento o episódio que inspirou cada canção, como em uma aula de História. Em seguida, comento como a letra retomou tal conteúdo, com maior ou menor distanciamento dos registros históricos, já que os artistas têm liberdade para criar em cima da realidade”, conta Lauro, graduado em Letras e com Pós-Doutorado pelo Institute of Popular Music da Universidade de Liverpool, na Inglaterra.”

‘Doutor’ em Iron Maiden: brasileiro leva análise de letras de heavy metal para conferência mundial, https://www.bbc.com/portuguese/geral-45022088 – Fernanda Portugal,BBC Brasil, 31.jun.18. Entre as 18 canções dissecadas, não somente as letras, estão os riffs, melodias e andamentos de músicas como ““Quest for Fire” (Piece of Mind, 1983),“Powerslave” (Powerslave, 1984), “Alexander the Great” (Somewhere in Time, 1986), “Run to the Hills” (The Number of the Beast, 1982), “The Trooper”
(Piece of Mind, 1983), “Empire of the Clouds” (The Book of Souls),e a minha sempre favorita“Aces High” (Powerslave, 1984). O autor literalmente disseca as canções, revisando letras, personagens históricos, fatos, locais, livros e até mesmo a construção de uma linha melódica para demonstrar a força de trechos das músicas em relação aos fatos narrados, mostrando apuro, conhecimento técnico e verdadeira devoção a obra da ‘donzela de ferro’.SEM MAIS SPOILERS, corre para a jornada musical e histórica!
– Serviço: O livro custa R$50, com frete incluso para qualquer lugar do Brasil. O pagamento é feito por depósito ou transferência bancária BB ou CEF. No entanto, até 2020, o autor estava apenas recebendo pedidos de reservas pelo email (prof.lauromeller@gmail.com), pois só poderia postar os livros após a quarentena (ou seja, tempo indeterminado…), mas agora já deve dar pra comprar. Vale o investimento!
BONS SONS E ATÉ A PRÓXIMA PESSOAL!

Compartilhe esse artigo!

Gostou desse artigo? Comente!

Quer divulgar o seu negócio aqui?
Chame no WhatsApp!