RECURSOS HUMANOS E A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

 

O novo RH já se deu conta da necessidade da inteligência emocional (IE) para ter um diferencial competitivo para a seleção e para permanência nas empresas. O uso inteligente e adequado das emoções nas organizações virou fator predominante para geração de resultados positivos. Já se foi o tempo que se acreditava que somente o desenvolvimento intelectual era suficiente para ter um excelente funcionário e que esse indivíduo seria bem sucedido na sua área de atuação.

Segundo o dicionário Michaelis (2002, p.286), a emoção é definida como “reação repentina, intensa e passageira causada por surpresa, medo, alegria etc.” Dependendo da emoção, em um determinado momento, é fundamental que se tenha controle emocional para ter domínio da situação .

O departamento de Recursos Humanos das empresas tem se preocupado em selecionar mapeando o perfil comportamental do candidato, isso porque entendem que o conhecimento técnico é necessário para o exercício da função. Porém, as aptidões emocionais influenciam de forma significativa na contratação do candidato.

Estudos comprovam que habilidades técnicas não garantem sucesso caso não venham acompanhadas de características pertinentes à IE, que hoje são super valorizadas pela empresas, por trazerem um forte impacto também no clima organizacional.

A Inteligência Emocional se faz tão necessária porque consiste no controle emocional com o objetivo de se ter um comportamento adequado para cada situação, ter entusiasmo, persistência e confiança para alcançar os objetivos e metas propostos.

A empatia se destaca e é palavra de ordem dentro dessa dinâmica comportamental, pois facilita a comunicação e as relações interpessoais. Esse modelo adequado para cada situação se reflete diretamente na capacidade de trabalhar em equipe, motivando e controlando as emoções ao redor.

Um bom exemplo de tudo isso é um indivíduo preparado, que vê pontos positivos e facilitadores até em situações desfavoráveis, enxerga soluções e não fica preso aos problemas e entraves; ao se relacionarem com pessoas pessimistas e desmotivadas, consegue transferir estímulo, equilíbrio e até a sensação de felicidade.

Nesse contexto, Goleman (1995, p.163) afirma que “(…) quando emocionalmente perturbadas, as pessoas não se lembram, não acompanham, não aprendem e nem tomam decisões com clareza (…)”.

Sendo assim, entende-se que quando se reconhece o valor da IE para as instituições, tanto no clima organizacional como nos resultados, pode – se dizer que se tem uma vantagem competitiva.

Compartilhe esse artigo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Gostou desse artigo? Comente!

Quer divulgar o seu negócio aqui?
Chame no WhatsApp!