Liderança criativa

liderança criativa
Liderados têm características muito parecidas com as do líder | Foto: Divulgação

As empresas buscam de forma continuada os profissionais mais criativos e inovadores. A recíproca é verdadeira, os profissionais sonham em trabalhar em empresas inovadoras e criativas. As empresas são feitas por pessoas, e isso implica dizer que as pessoas criativas e inovadoras buscam trabalhar com outras pessoas criativas e também inovadoras. É o que o guru da Liderança John C. Maxwell chama de “lei do magnetismo”.

Maxwell define a lei do magnetismo como a capacidade de líderes inspirarem e atraírem pessoas com características parecidas com a dele. Quem você é define quem você atrai. Talvez isso explique muita coisa. O mundo olha para a Apple e aguarda com expectativa como serão os próximos anos sem Jobs. Jobs foi singularmente genial e, mesmo sendo rotulado como um líder “narcisita produtivo” e pouco carismático, ele soube atrair outros senão iguais ou muito parecidos. Agora é encarar a prova do tempo.

Pense agora num líder que lhe inspira. O que é que ele tem que lhe atrai? O quanto você tem dessas características que lhe atraem?

Quando penso em criatividade lembro-me de imediato da minha infância. Até os meus sete anos de idade, as caixas de creme dental viravam aviões monomotores. Aro de bicicleta virava cesta de basquete. Tocos de madeira e elásticos de soro viravam poderosas armas de feijão (coisas de meninos!). Não havia limite para a imaginação e empenho para criar as engenhocas. Engraçado é que num longo período de tempo essa característica criativa ficou adormecida. Justamente no período em que a vergonha e o medo da opinião social e de me expor começou a crescer dentro de mim. Neste momento, passei a me apegar aos paradigmas e aos modelos padrões de comportamento. Isso tudo funcionava como uma armadura que me protegia de ser ridicularizado ou rejeitado por pensar diferente (mas eu não agia diferente). O nosso tradicional modelo educacional nos ensina a sermos excelentes repetidores e bons executores. Fomos ensinados a sufocar aquilo que o mercado atualmente mais valoriza e busca: criatividade e autenticidade. Sim, um grupo de pessoas criativas e autênticas forma um ambiente criativo.

Na era dos especialistas, é obrigatório ter uma resposta pronta e uma solução baseada na experiência. É o modelo padrão de comportamento corporativo predominante, envolto pela capa da “experiência”, sempre dentro da “zona de conforto” e o menos autêntico possível. É assim que queremos inovar? Repetindo de forma segura e tradicional as boas e velhas soluções já desgastadas pelo uso?

A liderança criativa é necessariamente um culto à vulnerabilidade. E o ponto de partida para formar um ambiente criativo e inovador é a prática da liberdade de dizer: não sei. Despindo-se do “saber pré-pronto”, longe da zona de conforto de quem não é curioso para descobrir o novo. O diferencial está justamente em se sentir desafiado em descobrir algo novo e de um jeito diferente, e acreditar que é possível.

Os colaboradores já “vestiram a camisa” na década de 90, agora o slogan é “pensar fora da caixa”, isto é, ser mais criativo, quebrar paradigmas e inovar. Não existem empresas criativas. O que existe são líderes criativos que atraem profissionais criativos. E esses líderes criativos valorizam o conhecimento. E por valorizarem o conhecimento eles criam ambientes favoráveis ao desejo de pensar “fora da caixa”. O líder criativo tem a responsabilidade criar um ambiente favorável à criatividade e cultivar em seus liderados o desejo de criar. Cabe registrar que não estamos falando de políticas de remuneração variável bonificando as ideias que forem adotadas pela empresa. Em alguns casos o dinheiro esvazia o prazer e mata a espontaneidade. Criar um ambiente favorável à criatividade está relacionado à:

1.       Dar um norte para o pensamento. É o maestro quem define qual é a música que será entoada. O líder criativo precisa dar um foco para canalizar o esforço criativo da equipe. Em muitos casos, esse foco é um problema. Não consiste em identificar um problema para encontrar os culpados, mas sim identificar a origem do problema e focar a equipe para pensar em soluções.

2.       Incubação de ideias. Cabe ao líder criativo regar as sementes de boas idéias com o tempo. É do líder a responsabilidade de controlar a ansiedade do grupo em querer eleger uma solução para o problema sem dedicar tempo suficiente para ter os indícios da melhor ideia. Quando tratamos do campo das ideias, a ansiedade é a vitamina da superficialidade. O líder criativo tem o poder de conduzir a equipe a um aprofundamento capaz de trazer à tona um conjunto de conhecimento diferenciado e especial. Na era do “tudo pra ontem” saber transformar a ansiedade numa boa expectativa é um desafio para os líderes criativos.

3.       Desafiar a equipe diariamente. Ao definir um foco é preciso desafiar a equipe a realizar um esforço coletivo e colaborativo. Não é provar que é o mais inteligente, mas de quem é mais ousado e corajoso. É preciso ter coragem para se expor. O trabalho coletivo pode dividir a autoria, mas também diminui o peso da exposição que é um fator inibidor da criatividade. Além disso, a correlação de diversas ideias tem um grande potencial de conhecimento e criatividade. Mas isso não acontece espontaneamente, é preciso provocar e desafiar a equipe a buscar e compartilhar o seu melhor. É preciso coragem e liderança.

4.       Fazer perguntas poderosas. O líder criativo não é uma máquina de respostas, mas um mestre em fazer perguntas poderosas que inspiram os colaboradores a pensar além. Como a nossa empresa pode ser beneficiada com isso? O que dever ser feito para executarmos essa ideia? Além dessa ideia, qual outra situação merece a atenção da empresa? O quanto você acredita que essa ideia pode dar certo? Quando isso acontecer, como você imagina que estaremos? Por que devemos investir nessa ideia? Se não der certo o que é que iremos perder? E se não executarmos o que iremos perder? Enfim, um líder criativo não é um “sabe tudo”, mas um mestre na arte de perguntar.

5.       Consciência do seu papel. O líder criativo sabe que não está disputando com os seus liderados. E por saber disso, está vacinado contra a doença da vaidade extremada. Ele sabe distinguir a satisfação de ter montado um time criativo e vencedor, do orgulho em achar que todo o sucesso alcançado foi devido a ele. Um líder criativo vaidoso não é líder, é apenas um profissional tentando se aproveitar da potencial criatividade de seus colegas para se promover. Esta situação não é sustentável. É fundamental que o líder criativo seja maduro suficiente para saber que o seu papel é criar um ambiente criativo e conduzir a sua equipe para a produção de ideias inovadoras, criando condições favoráveis para que essas ideias ganhem vida, gerando satisfação, o sentimento de realização e obtendo o reconhecimento para os envolvidos no processo.

Você é um líder? Está satisfeito com a sua equipe? Que tipo de liderado você tem atraído? Reflita melhor sobre o líder você é, e o tipo de líder que deseja ser nos próximos anos.

Compartilhe esse artigo!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Gostou desse artigo? Comente!

Quer divulgar o seu negócio aqui?
Chame no WhatsApp!